Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Um mal nunca vem só.

É verdade. Não sei se tem medo de andar sozinho mas o facto é que a seguir a um mal, geralmente, sucede-se outro.

 

Depois da aventura de ontem que me deixou de nervos em franja, só me faltava mesmo ser brindada com uma crise de alergia.

Acordei aflitíssima da rinite alérgica. Ataquei logo com toda a medicação possível mas custou a acalmar. A minha vontade, hoje, era ficar em casa sem mexer um músculo mas não me fiz a vontade.

 

A minha sorte é que as crianças estavam em modo "bem comportado" e a coisa correu bem. É que nem fôlego tinha para levantar a voz caso fosse preciso.

 

Estou abananada, com dores laterais na língua (eram muito mais bem empregues nas línguas de muita gentinha que anda por aí a dizer baboseiras) e dores no corpo de tanto espirrar. O meu nariz parece que está em obras e os olhos estão todos vermelhuscos. Até a pele fica ressequida. 

 

Estou a pensar seriamente em começar a usar uma mola no nariz assim que a Primavera começar. Parece-me um bom método natural de prevenção. Que acham?

 

Ah mas se estas coisas todas são para pôr à prova a minha boa disposição e energia positiva... Desistam! O vosso objectivo não está a ser conseguido!!!

 

E para terminar mais uma jornada de trabalho com o sentido de objectivo cumprido e com um sorriso no rosto, nada melhor do que chegar a casa ainda de dia e com o sol a espreitar!

 

Prova Superada!

Lembram-se do post anterior em que eu tinha terminado com a seguinte frase: 

"(...) não vou desanimar por todas estas coisas. Vou manter-me com pensamento positivo, escudar-me atrás de boa disposição e dar um sorriso ao sol." Se bem o escrevi, melhor o fiz.

 

Ora vejamos a restrospectiva diária. Acordei com uma crise alergia valente. Tomei a medicação toda e lá tratei de tudo para começar o meu primeiro dia de trabalhos após a interrupção do Carnaval. A energia positiva manteve-se apesar da moleza do antihistamínico.

 

O N. não veio mas eu mantive a alegria. Sempre posso matar as saudades via internet ou telefone. A vida assim obriga.

 

Quando fui para a escola, os "#%"#%#$ dos autocarros vieram atrasados o que me fez perder o meu segundo autocarro por segundos. Não estrebuchei nem disse mal da vida. Pensei como iria passar o tempo até que chegasse um autocarro que me levasse dali para apanhar um outro que passa perto da escola. Uma seca de vinte minutos. Beber um café pareceu-me boa ideia. E lá fui eu. Mais pensamento positivo e boa disposição, portanto. 

 

As aulas correram bem e os miúdos também estavam bem comportados. Parece-me que esta pausa lhe fez bem, que os deixou descansar e relaxar. Coloquei o meu melhor sorriso em acção.

 

Saio das aulas e quando vou a descer a rua, vejo o autocarro passar mais cedo. Saltou-me da boca um "porra, pá!" mas continuei a ser uma menina bem comportada. Levei a coisa na deposrtiva mesmo sabendo que, de certeza, iria ter uma seca descomunal. Como pude comprovar mais à frente. O autocarro que eu apanhei passou e-xac-ta-men-te uma hora depois de eu ter saído das aulas.

À conta de estar sempre a olhar para o lado ansiosa de vislumbrar o recorte do autocarro no horizonte, apanhei uma valente dor de pescoço. E como um mal nunca vem só, a minha amiga enxaqueca resolveu vir fazer companhia à dor de pescoço. Mas nem isto me deitou abaixo.

 

Por isso, por hoje posso dizer que a energia positiva e a boa disposição estiveram do meu lado. E para lhe fazer companhia, pus um belo sorriso nos lábios.